Custos Hospitalares e seus efeitos na economia

Custos Hospitalares e seus efeitos na economia

A estrutura necessária para garantir o funcionamento adequado de um hospital é muito custosa. Afinal, envolve insumos, instrumentais, equipamentos, estrutura física e profissionais para que as operações possam acontecer, além dos serviços básicos e fundamentais contratados.

Sendo assim, tanto os estabelecimentos privados quanto os públicos têm altos custos hospitalares, o que gera um efeito significativo na economia. Neste artigo você vai entender melhor o que são esses custos e seu impacto econômico. Acompanhe.

O que são os custos hospitalares?

Os custos hospitalares são todas as despesas e investimentos que precisam ser feitos para garantir o funcionamento do hospital. Precisamos considerar desde o grampo de papel utilizado pela atendente até a estrutura para o funcionamento de uma unidade de terapia intensiva.

Os hospitais, sejam públicos ou privados, também operam como empresas. É preciso que haja uma boa gestão das despesas para garantir a viabilidade do negócio e a continuidade das operações.

Uma boa gestão de custos é indispensável para proporcionar o melhor atendimento aos pacientes, condições adequadas de trabalho para os profissionais e a maior disponibilidade de recursos para serem investidos na própria estrutura do hospital.

Classificação de custos

Os custos hospitalares podem ser classificados como:

  • Diretos – aqueles com o pessoal, consumo de materiais e despesas gerais (manutenção e conservação do prédio, serviços  terceirizados e outros);
  • Indiretos – como energia elétrica, água, telefone, impostos, aluguel e seguros.

Também podemos classificar como fixos e variáveis, conforme as variações que sofrem em função do volume produzido. Aqui, podemos entender como a quantidade de atendimentos realizados.

Como os custos hospitalares afetam a economia?

Se analisarmos, por um momento, o que é preciso para um hospital operar, vamos perceber a quantidade de custos hospitalares que existem. É por isso que eles afetam de forma significativa a economia.

No caso dos hospitais particulares, a boa gestão de custos é indispensável para garantir a sobrevivência deles enquanto empresas. Também para ter um diferencial competitivo, garantindo a qualidade do atendimento prestado ao paciente por um valor acessível.

Mas, no caso dos estabelecimentos públicos , não podemos esquecer que os custos hospitalares são por conta do governo.

Números dos custos hospitalares na economia

No ano de 2019, os gastos do Brasil com saúde somaram 9,6% do Produto Interno Bruto (PIB). Nesse cenário antes da pandemia, a movimentação financeira girou em torno de RS 711,4 bilhões.

Os dados são do Ministério da Saúde, que publicou em 2022 o documento Conta-Satélite de Saúde contendo essas informações. Segundo ele, do total movimentado, RS 283,6 bilhões foram despesas do governo, o que representa 3,8% do PIB.

Mas as instituições sem fins lucrativos e as despesas familiares também entram nessa conta, somando R$ 427,8 bilhões, ou seja, 5,8% do PIB. Logo, é possível perceber que os custos hospitalares e com saúde têm um peso significativo na economia.

Isso tende a aumentar conforme cresce a demanda por tratamentos e atendimentos, principalmente aqueles de maior complexidade.

Os impactos dos custos hospitalares na economia acendem um sinal de alerta para a importância de medidas preventivas, pois aumentando a qualidade de vida e a saúde da população, a tendência é de que esses custos reduzam. Assim, é possível melhorar a oferta de atendimentos, inclusive da rede pública, direcionando recursos para que as pessoas tenham acesso a serviços de qualidade.

Você sabia que os custos hospitalares tinham um impacto tão significativo na economia?

Compartilhe essas informações nas redes sociais para que outros também saibam.

Áudio Post

Português

Abrir bate-papo
Bate Papo Samtronic
Olá
Podemos ajudá-lo?